Cropped image of an engineer showing a computer microchip on the foreground
PRORADIS

Inteligência Artificial na saúde

A transformação digital e a Inteligência Artificial

A experiência da Disrupção

      Para discorrer sobre o tema deste artigo, Inteligência Artificial, necessito fazer uma breve introdução e comentar a respeito da transformação digital, que é um tópico de notoriedade em todos os setores do mercado brasileiro, e inclusive, vem se tornando um assunto corriqueiro, obtendo visibilidade em diversos veículos de informação. Entretanto, por mais que esta temática seja bastante abordada, nós nos encontramos em uma jornada de navegação em águas ainda pouco turvas. Aspectos de transformação e desenvolvimento impostos pela 4ª Revolução Industrial, estão modificando fundamentalmente a maneira como vivemos e trabalhamos atualmente. Há uma expressão muito precisa quanto a sua relação com a fidedignidade de sua definição, que retrata bem nossa contemporaneidade, a disrupção. Posso explicá-la da seguinte forma, este termo consiste em promover uma ruptura nas diretrizes e nos padrões implantados nos quais a sociedade está acostumada a lidar, ocasionando na criação de uma descontinuidade nos modelos pré-estabelecidos e existentes gerados por uma experimentação apropriada e harmonizada do progresso, neste caso, o uso da tecnologia.

A concepção da Inteligência Artificial

      Todos os elementos tecnológicos que passaram a existir devido a disrupção, sofreram uma transição rápida e complexa de evolução. Recursos e equipamentos foram substituídos por outros mais inovadores, procedimentos e processos foram criados e ganharam espaço no mercado brasileiro, nos deparamos com o então surgimento das ciências binárias, e agora o tema de pauta é a popular Inteligência Artificial. Sua sigla em inglês A. I. – Artificial Intelligence, contempla o ramo de atuação da ciência da computação, onde uma série de dispositivos elaborados através de algoritmos específicos, sequências matemáticas, compreendem e executam ações de aprendizado e conhecimento, tendo a capacidade de raciocinar, interagir, tomar decisões, solucionar adversidades, enfim… de serem máquinas inteligentes, aprendendo cada dia mais por conta das suas interações com os humanos. Um simples sistema de mapeamento por GPS, ou a verificação do tempo em seu celular já permeiam este universo. Mas citando especificamente o setor de Helthcare, como a tecnologia pode ajudar?

A Inteligência Artificial na saúde

      Agora chegamos em um dos tópicos mais importantes desta artigo. Como todo este desenvolvimento e esta evolução tecnológica podem respaldar o setor da saúde brasileiro? A resposta para este questionamento é clara. Esta ciência de dados já existe no setor da saúde, e possui grande impacto nas áreas médica e odontológica, no que diz respeito a melhorar a experiência da jornada e do tratamento do paciente, através da modernização destes segmentos, com base na busca de novos recursos para redução de custos e otimização de processos. A tendência da utilização da Inteligência artificial vem fornecendo inúmeros benefícios para gestores de clínicas e laboratórios na área da saúde, como optar pelo emprego de softwares mais ágeis, prontuários eletrônicos mais bem elaborados, a retidão de uma vastidão de informações armazenadas na base de dados para resolução de diagnósticos precoces, e com isso, a otimização da precisão de diagnósticos. E por fim, melhores recursos e equipamentos para o tratamento e prevenção de doenças, enfermidades, ou de alguma moléstia. Mas facilitarei sua vida leitor, destrincharei as vantagens que a Inteligência Artificial apresenta em tópicos para melhor didática sobre o assunto.

Precisão nos Diagnósticos

      Partindo do pressuposto em que a lógica da realização de um diagnóstico é simples, onde os seguintes procedimentos são seguidos, de forma que em primeiro lugar, é feita a avaliação do paciente por um profissional de saúde, e posteriormente, ele aponta um exame para realizar, um procedimento a ser seguido, ou ele receita um remédio para cura. Conclui-se que a resolução deste caso foi devido as suas experiências arrecadadas em vida, seja devido a sabedoria adquirida mediante aos estudos ou decorrente de casos observados em pacientes tratados durante sua trajetória como profissional. Ok, temos aqui um diagnóstico eficaz, porém, recorreremos ao futuro…

      Reflita comigo estimado leitor. Imagine se abrangermos, histórico por histórico de pacientes, datados e organizados em conformidade com suas evoluções de enfermidade e acontecimentos adicionais, concomitantemente a seleção de uma determinada localidade respectiva aos casos sofridos pelos pacientes citados, e que se tornaram recorrentes. Tudo isso organizado em um determinado sistema computacional através de algoritmos específicos. Pense comigo, esta máquina será capaz, não apenas de solucionar o diagnóstico atual, mas sim definir precisamente as propensões à enfermidades e moléstias, de acordo com o histórico de informações que foram adquiridas pelo computador, podendo ajudar até a previnir grandes epidemias, aperfeiçoar o acompanhamento do paciente mediante a comparação real da efetividade de cada medicamento, podendo culminar na prevenção e desenvolvimento de doenças. Sim, aqui temos a excelência do diagnóstico que foi produzido por intermédio da Inteligência Artificial.

Armazenamento e Análise de dados

      Mas como se dá o processo de armazenamento de dados para resolução de diagnósticos de uma forma mais simples? Dois termos estão estreitamente relacionados a Inteligência Artificial, dos quais facilitam os processos automatizados de uma organização de saúde. O primeiro é o Big Data, termo este que consiste na volumosa capacidade de armazenamento de dados. A segunda é a expressão Learning Machine, responsável pelo método analítico dos dados recolhidos em uma quantidade massiva e transformados em informações. Atualmente essas tecnologias computacionais podem acrescer na otimização dos processos da sua organização, facilitando o acesso a informação e deixando alguns processos teoricamente mais complexos, mais complicados, mais simples, auxiliando na diminuição de gastos.

      Além disso, condizente aos prontuários dos pacientes, que possuíam suas resoluções através do método manual, antiquado e desgastante para os profissionais da saúde. Hoje, estes profissionais podem contar com registros eletrônicos inteligentes, alcunhado de prontuário eletrônico dos pacientes, uma forma mais rápida de execução. Com o PEP você pode coletar, armazenar e reaver informações sobre todos os seus pacientes, datados e organizados, automatizando o serviço que antes era exercido de maneira manual.

A Inteligência Artificial substituirá os profissionais de saúde?

      Uma questão se faz presente quanto a ideia da digitalização de tudo, a automatização dos processos, a otimização de procedimentos, a adoção da Inteligência Artificial, entre outras expressões relativas as inovações tecnológicas. Mas será que as máquinas ocuparão o lugar dos humanos? De fato, não!

      Por mais complexa e indubitável que a tecnologia e suas vertentes sejam, o elemento humano sempre fará a diferença no que condiz com a relações humanas, e neste caso o profissional de saúde é um fator determinante para o tratamento de enfermidades e moléstias. A Inteligência Artificial atuará de maneira ativa nos processos, porém, com o serviço pesado, todos trabalhos complicados existentes serão realizados através dos processamentos de dados e suas diretrizes. Ou seja, ao invés das máquinas se apoderarem do lugar do humano, ela o ajudará a se humanizar, podendo exercer a sua função mediante a um atendimento mais humanizado. Então fiquem tranquilos!  😉

Arthur Grimaldi

Arthur Grimaldi

Copywriter - Redator

Leia também...

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email